jeff-rowland

Imagem: Jeff Rowland

 

Repare bem, meu amor,

na armadilha que é o tempo

(esse monstro imenso

que me lambe a cara no escuro)

depois que vão embora os passos seus.

 

Repara no peso que herdamos

ao recordar a história do nosso corpo

como âncoras, habitando o fundo da alma

um do outro, lua após lua.

 

E tudo o que eu vejo em você

é meu destino: fonte, labirinto,

campos floridos, gestação, asas

e chão, palavras e vinho tinto.

 

E tudo o que eu quero, agora,

é não errar a hora, o dia ou a estação…

Anúncios
Imagem | Esse post foi publicado em Poesia e marcado . Guardar link permanente.

2 respostas para

  1. Você tem tantos poemas! Infelizmente, não sei o que dizer deles. O que pode ser uma coisa boa se você se considerarmos que o poema não pode ser considerado, porque aí já seria outra coisa. O problema é que eu queria considerar, dizer, alisar. Mas os poemas, você sabe, escapam. Gostei imenso do que você escreve. Abraço.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s