Arquivo do mês: fevereiro 2017

.

Qualquer coisa pergunta-me qualquer coisa uma tolice um mistério indecifrável simplesmente para que eu saiba que queres ainda saber para que mesmo sem te responder saibas o que te quero dizer. [Mia Couto] Anotei seu nome no meu caderno de … Continuar lendo

Publicado em Poesia | Marcado com | 10 Comentários

Amanhecer…

Um dia sem ouvir a tua voz é como descobrir que o mar morreu. [David Mourão-Ferreira] Queria te falar do meu silêncio, mas o necessário, às vezes, é indizível…   Na noite passada, eu engoli a lua só para preencher … Continuar lendo

Publicado em Poesia | Marcado com | 6 Comentários

Semente…

Quantas vezes te quis e te inventei quantas vezes morri e já não sei. [Torquato da Luz] Depois que me fodeste o coração um puta poema eu pari… Pobre lirismo barato: nasceu morto, o coitado. Depois, o enterrei como indigente … Continuar lendo

Publicado em Poesia | Marcado com | 4 Comentários

– (des)encontro –

esquece as ruas. os teus caminhos estão em mim. [valter hugo mãe]      Encontraram-se na rua. Ela estava indo e ele vindo, ou vice e versa (quem se importa com a direção, quando se está perdido?). O fato é … Continuar lendo

Publicado em Prosa | Marcado com | 7 Comentários

Ouve, tu que não existes em nenhum céu: Estou farto de escavar nos olhos abismos de ternura onde cabem todos menos eu. [José Gomes Ferreira]      E vou me doendo por dentro: mãos, olhos, boca, órgãos, memória, alma. Tudo … Continuar lendo

Publicado em Prosa | Marcado com | 4 Comentários

.

e uma noite a vida começa a doer muito e os espelhos donde as almas partiram agarram-nos pelos ombros e murmuram como são terríveis os olhos do amor quando acordam vazios. [Alice Vieira] Acordei com uma dor das coisas perdidas, … Continuar lendo

Publicado em Poesia | Marcado com | 2 Comentários

As dores da delícia de tua passagem…

Os meus demônios é que escrevem os poemas. [Pedro Mexia]   Envelheço, sem ter paz nenhuma, porque tiraram de mim o doce ofício de mapear teus aclives, de me perder em teus declives, de me curar em teus acidentes pornográficos, … Continuar lendo

Publicado em Poesia | Marcado com | 4 Comentários