Canção para os teus olhos dispersos…

14708111_1350231591655258_3463081285017611533_n

Desconheço a autoria da Imagem.

Há sonhos que devem permanecer nas gavetas, nos cofres, trancados até o nosso fim.
E por isso passíveis de serem sonhados a vida inteira.

[Hilda Hilst]

Não se perca de mim, não se perca!

Somos, juntos, o desejo e o pecado, 
o amor e a entrega, o lado bonito da vida, 
ainda que invisível aos olhos do mundo
– o perfeito muitas vezes se esconde da luz 
e, quando se revela, mostra cores absurdas
em abstratos incompreensíveis para alguns olhares…
Mas eu te compreendo tão bem e sei 
que minha boca sempre fará referência à sua
na hora certa, porque se completam.

Não. Não se perca de mim. Não me perca!

Sobraram alguns sonhos empoeirados,
escondidos debaixo da pele e do medo, 
no fundo dos olhos, mas não sei se quero me lembrar…
Sei que tinha uma casa, no alto de um precipício,
um mar infinito à frente, um vento soprando,
umas flores enfeitando o caminho,
o seu abraço quentinho, eu não sei…
Não quero alimentar sonhos,
mas os que tenho contigo são bonitos demais 
para deixá-los morrer…

Não, não deixe que eu me perca assim, de mim.

Seus olhos, ainda que dispersos no mundo,
sabem de mim mais do que eu, e eu sei
que eles cantam canções que só eu ouço,
eles falam de amor de um jeito que só eu entendo
e não há nada mais perfeito do que um amor
cantado assim, em versos sem rimas,
no impossível dos sonhos, na realidade do querer, 
como te quero… tanto!

Não… por favor, não se perca de mim…

Olha, assim, no infinito dos meus olhos e me diz
que a única verdade que nos interessa é esse amor
e que o resto é paisagem sem importância…
Diz pra mim que eu mereço a felicidade,
mesmo que ela venha bordada no tecido dos sonhos,
mesmo que ela seja uma ilusão fugaz ou inatingível…
Em ti permanecem todos os meus vícios e pecados, 
toda a minha infinita vontade de ser melhor,
todos os meus desejos e sorrisos. Tudo o que sou.

Não, não se perca de mim
nem dos meus olhos, das minhas mãos…

Não ouse ignorar meu nome, minha pele,
meus desatinos todos, por você…
Deixa eu morar no seu coração
– casa que elegi, há tempos, como refúgio sagrado,
templo que me protege dos males do mundo.
Deixa-me ser, em ti, tudo o que a vida me negou ser,
enquanto os dias se arrastam na superficialidade das coisas.
Deixa eu me aprofundar em você 
e ser mais do que posso… Amor além do amor.
Vida, além da vida que há em nós.

Anúncios
Esse post foi publicado em Poesia e marcado . Guardar link permanente.

6 respostas para Canção para os teus olhos dispersos…

  1. Senti uma paz gostosa misturada com um pouquinho de… angústia, talvez. Linda poesia! Parabéns!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Triccia,

    Uma intensidade que paira a obsessão. Um fôlego que vai faltando durante a leitura, em meio à vontade de seguir rápido só pra ver onde vai dar.

    Teu texto é bom demais!

    Curtido por 1 pessoa

  3. “Deixa eu morar no seu coração
    – casa que elegi, há tempos, como refúgio sagrado,” -sua poesia me encanta de verdade, gosto bastante de como escreve e de cada verso

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s