Escombros…

francine

Francine Van Hove

Meu coração prefere acreditar nessas promessas,
Mesmo essas que só fazem abrir minhas janelas
Pra nenhuma paisagem.

[Túlio Mourão]

     Olhando ao redor percebo, com certa angústia e desespero, que não há portas nem janelas que possam se abrir, para que eu consiga ir embora das paredes que levantei. Há uma desordem instalada e umas teias de aranha que, olhando de longe, poderiam dar um ar artístico ao lugar abandonado, mas não é o que acontece. A mobília está intacta, mas o pó nada deixa ver, além da sujeira aparente. Existem alguns versos esparramados aqui e ali, jogados pelo assoalho que geme infeliz, quando é tocado. Minha casa é meu corpo, sem endereço fixo. Estou sempre de partida, mesmo quando chego. E a única bagagem que trago comigo é a alma. Eu trazia, também, um par de asas, mas ficou esquecido num sonho distante. Agora, só me restam os sapatos surrados e esse cansaço de ir, sem saber para onde. 
Anúncios
Esse post foi publicado em Prosa e marcado . Guardar link permanente.

10 respostas para Escombros…

  1. Anônimo disse:

    (diante de palavras perfeitas, só o silêncio pode ser dito…)

    Curtido por 1 pessoa

  2. Tocou-me! Linda reflexão!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s