Dos dias que morrem assim…

ceu lindo

Desconheço a autoria da Imagem.

herdei do meu avô
um destino de silêncios
pedras e vazios

e uns olhos inquietos
de sonhos pousados longe
em remotos poentes

[Akira Yamasaki]

     Tenho medo dos dias que ficam perdidos dentro da minha gaveta de rascunhos não autorizados. Eles cheiram a guardado e pedem socorro numa voz rouca e agonizante. Temo a vingança nata dos dias mal vividos, das horas perdidas entre uma banalidade e outra. Temo a perversidade dos ecos das palavras não ditas, entre quatro paredes de uma sala vazia. Temo a solidão, posto que não sei conviver com rudezas e impossibilidades. Temo o dia em que a minha morte chegue, leve e branca, e me arranque suavemente daqui, sem que eu tenha ainda vivido um nada dos meus sonhos.

Anúncios
Esse post foi publicado em Prosa e marcado . Guardar link permanente.

7 respostas para Dos dias que morrem assim…

  1. Medos compreensíveis!

    Curtido por 1 pessoa

  2. behmota disse:

    Viajei no seu texto! Belo texto!

    Curtido por 1 pessoa

  3. Mariana Gouveia disse:

    Quando isso acontecer, tu soprará poesia no vento…
    Os sonhos são esses de todo dia. Dessa inspiração linda que vem de ti. O tempo é agora, moça linda!
    Corra!
    beijo

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s