Barbara Bezina 2.jpg

Barbara Bezina

Num deserto sem água
Numa noite sem lua
Num país sem nome
Ou numa terra nua
Por maior que seja o desespero
Nenhuma ausência é mais funda do que a tua.

[Sophia de Mello Breyner]

E, então, me vejo ali
guardada num canto obscuro de ti,
um arquivo secreto
que sequer tem um nome
passível de ser pronunciado.

Dentro de uma caixa antiga,
misturada à cartas e fotos,
coleciona-me em fragrâncias
sutilmente fadadas ao esquecimento.

Esta sou eu:
um desperdício de sonhos,
que o tempo se encarregará
de resolver.

Anúncios
Esse post foi publicado em Poesia e marcado . Guardar link permanente.

7 respostas para

  1. João Gilberto Saraiva disse:

    Não sei como você consegue por tanto sentimento em tão poucas palavras. Abraço!

    Curtido por 1 pessoa

  2. A suavidade de quem se dói e escreve muito bem sobre isso. ♥

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s