s_xx_46_by_scarabuss

Desconheço a autoria da Imagem.

Estragas-me a paz.
E eu preciso das minhas solidões,
de bocados mentais sem ti.

Começo a ser doença obsessiva
ao repetir-me por poemas isto:
as tuas invasões à minha paz.

[Ana Luísa Amaral]

O sol vai descolorindo o dia
enquanto os pássaros entoam
a mesma canção que faz com que
as estrelas queiram o silêncio
da eternidade…

(E eu continuo aqui,
revestindo-me das orquídeas
que plantei, em cada poro,
enquanto seus olhos
me fertilizavam a pele).

Era uma tarde de inverno também…
Nem tem tanto tempo assim,
mas parece que foi há séculos.
Eu estava radiante, confesso.
Você ainda se lembra do meu sorriso?

Depois, afundei-me no ordinário dos dias,
sucumbi aos amargos analgésicos e percebi
que o meu corpo vibrava quase nada,
além do necessário para se manter vivo.

Era disso que eu falava…
Saudade mata.

Anúncios
Esse post foi publicado em Poesia e marcado . Guardar link permanente.

2 respostas para

  1. Mariana Gouveia disse:

    Ah, essa mania de asa que temos…
    Uma hora, nos derruba…

    Lindo, lindo!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s