Pelo teu sorriso…

pedracanteiro

Desconheço a autoria da Imagem.

Tira-me o pão, se quiseres,
tira-me o ar, mas não
me tires o teu riso.

[Pablo Neruda]

Naquela tarde,
quando tropecei nos teus olhos
e caí em mim mesma,
senti que nunca mais
eu seria capaz de me curar
do teu sorriso…

Ah, o teu sorriso, depois de roçar
a pele áspera do mundo, tocou-me
por dentro e purificou as correntes sanguíneas,
o lado indeciso de cada célula minha.
Causou-me um pequeno caos:

Como quando nasce uma estrela
e o universo se reorganiza de novo…
(Só que, agora, mais luminoso).

Teu sorriso é chama que incendeia
os campos, fulmina os pássaros
– em pleno voo – e aquece, por completo,
o mais denso dos silêncios.

Teu sorriso é afeto e, eu,
que já não esperava nada da vida,
começo a me lembrar de nomear
cores, árvores, flores e gestos…

Depois de ver o teu sorriso
tive de inventar um mundo novo
porque todas as coisas antigas
perderam o sentido.

E, agora, eu ando por aí e tudo se inaugura
diante dos meus olhos: uma pedra existe
– quietinha num canteiro descuidado –
porque você me sorriu um dia e, eu,
alheia ao mundo, pude compreender
a existência dessa pequena pedra…

Ela é exatamente como eu era
antes de nascer pelo teu sorriso.

Anúncios
Esse post foi publicado em Poesia e marcado . Guardar link permanente.

14 respostas para Pelo teu sorriso…

  1. 0819claudiacap disse:

    Como quando nasce uma estrela
    e o universo se reorganiza de novo…
    (Só que, agora, mais luminoso).
    Lindeza ❤

    Curtido por 1 pessoa

  2. Panografias disse:

    E eu que sou um viciado em sorrisos e os sintomas que pode causar… fico aqui extasiado com seu poema que tem o poder de encantar! Lindo lindo… parabéns Triccia , realmente é maravilhoso seu poema! Um forte abraço

    Curtido por 1 pessoa

  3. 🙂 (Poema lindão demais das contas…)

    Curtido por 1 pessoa

  4. Mariana Gouveia disse:

    🙂

    Curtido por 1 pessoa

  5. Talvez você não me perdoe, mas fiz um metapoema a partir do teu poema. É minha leitura a partir de um texto teu. É que gostei do teu poema e fiquei tão invejoso que criei o meu. Segue:

    Ah, o teu sorriso, a pele áspera do mundo,
    depois de roçar por dentro, me tocou
    o lado indeciso de cada célula minha.
    E se fizeram puras todas as correntes sanguíneas,
    E o mundo se fez fecundo, a modo de um pequeno caos:

    Como quando nasce uma estrela
    e o universo de novo se organiza
    (Só que, agora, com mais luz e vida).

    Teu sorriso incendeia e é chama
    E fulminam os pássaros nos campos
    – em pleno voo – se aquecem, por completo,
    o mais denso dos silêncios, caos repleto.

    É afeto teu sorriso, é afeto e eu,
    que da vida já não muito esperava,
    começo a relembrar de nomear
    cores, árvores, flores e gestos teus…

    Depois de ver o teu sorriso
    tive de inventar um mundo novo
    porque todas as coisas antigas
    perderam o sentido.

    E, agora, eu ando por aí e tudo se inaugura
    diante dos meus olhos: uma pedra existe
    – quietinha num canteiro descuidado –
    porque você me sorriu um dia (o gesto eu guardo)

    compreendo, compreendi, alheia ao mundo,
    a existência da pequena pedra…

    Ela é exatamente como eu era
    antes de nascer por teu sorriso.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s