.

image1

Desconheço a autoria da Imagem.

com que palavras irei escrever agora o nome
das horas que entram pela cama em que noutra vida
te ensinei o caminho do meu corpo…

[Alice Vieira]

A carne, trêmula,
pede a sofreguidão do toque,
do calor das mãos.

O olhar, bicho indomável,
persegue os detalhes e se perde
em meio à paisagem.

O corpo é a margem de um rio
e as mãos percorrem, sem medo,
os desníveis do coração.

Gemidos sem sintaxe…

(O silêncio
é a maior expressão do desejo,
porque impõe à boca
outra forma de linguagem).

Anúncios
Esse post foi publicado em Poesia e marcado . Guardar link permanente.

2 respostas para .

  1. Mariana Gouveia disse:

    Lindo, lindo!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s