templo

Desconheço a autoria da Imagem.

eu gostava de poder dizer
que entrei no teu corpo como um pássaro
espreitando de invisíveis ruínas
e que o som da tua voz bastava
para me salvar…

[Alice Vieira]

Esperei que, como doença,
a dor passasse.
Não passou.

Esperei por aqueles olhos,
por aqueles ouvidos.
Mas ninguém viu, nem ouviu nada.

(O silêncio é pesado
quando ainda há palavras
suspensas no ar…)

Era aquela voz que dava vida aos poemas
que carrego no ventre das mãos,
presos no fundo dos olhos.

(Agora, tudo nasce morto,
não há rimas adequadas
e, só por isso, resolvi calar…)

Aquela voz era Deus
e só por Ele eu existia.
Já não existo mais…

Anúncios
Esse post foi publicado em Poesia e marcado . Guardar link permanente.

4 respostas para

  1. Lu Amorim disse:

    Que belo! É de arrepiar!
    Bom dia com alegria, com harmonia e muita energia!
    Beijos de chocolate!
    ☕☕

    Curtido por 1 pessoa

  2. Mariana Gouveia disse:

    muito, muito, muito…
    MUITO!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s