Sombra…

12107058_981540581910670_1666735444726153985_n

Desconheço a autoria da Imagem.

semear tempestades
e assegurar que cresçam
foi para isso que os poetas foram feitos

[A. M. Pires Cabral]

     Uma sombra me visitou. Mordeu-me levemente com dentes negros e pontiagudos. Estaria eu inventando dores? Todo poeta é um mentiroso – dizem. Todo poeta é um pouco Deus, porque cria céus e infernos, cria mundos e dores. Mas só eu sei que uma sombra me visitou. Olhou-me com olhos famintos e salivou. Senti seu cheiro morno de enxofre impregnando minha pele. Nada me disse, mas deduzi, instintivamente, que me falava assim: contenha seu coração, para que não percas também a cabeça, depois os olhos e então as mãos. E partiu, deixando-me com o olhar vencido, embora buscasse eu, incessantemente, a liberdade da luz.

Anúncios
Esse post foi publicado em Poesia e marcado . Guardar link permanente.

4 respostas para Sombra…

  1. Alan Martins disse:

    Muito bom. Sorte que essa sombra tinha bons conselhos, poderia ser uma saída de lugares obscuros, nada amigáveis.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Mariana Gouveia disse:

    Ah essas dores inventadas… doem demais!

    lindo, lindo!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s