12801278_937136026354574_4296026630266784374_n

Desconheço a autoria da Imagem.

O Sol não importa aos dias
A dor não importa à ferida

[Nuno Camarneiro]

 

Sinto-me sozinha.
Deveras sozinha.

Respiro fundo e o ar está impregnado de ausências. O céu grita um azul que não existe, a não ser aqui, dentro de mim. Será que só eu percebo? Então, tudo é ilusão? Por que os hospitais têm paredes, se estamos todos doentes? Por que ter medo da escuridão, se a sombra é o que de mais valioso nos habita e o que também nos conforta, nos desperta e nos vicia? Meu nome está escrito no intervalo entre os que tardam… Eu sempre cheguei tarde demais, até mesmo para a minha felicidade. Mas eu me esqueço do impossível…

Eu devia prometer apenas falhar
e esperar dos outros essa mesma condição.

Anúncios
Esse post foi publicado em Prosa e marcado . Guardar link permanente.

11 respostas para

  1. Falharemos todos os dias! Mas a cada falha, sinto a redenção se aproximando, isto me motiva a falhar mais uma vez!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Traz um verso disse:

    Encontrar a sombra é encontrar o começo da luz.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Mariana Gouveia disse:

    a solidão é dentro da gente…

    Ah!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s