Ausência…

Januz Miralles2

Janus Miralles

Talvez chegaste quando eu te sonhava.
Então de súbito acendeu-se a chama!
Era a brasa dormida que acordava…

[Mario Quintana]

     Tenho tentado me definir e me aceitar em torno disto: a tua falta. Mas a verdade mais simples, mais triste e lógica é que a tua falta deixou em meu rosto um rastro de destruição. Fez dos olhos, pequenos vácuos, e da boca um lindo borrão. Tua ausência desfigurou a minha imagem, deixando-me irreconhecível para mim mesma. Fez nascer buracos no peito de onde saem gemidos indecifráveis e lamentos que se perpetuam no espaço como ecos repetindo solidão. E de tudo só sei isto: que me fazes falta. Dessas faltas completas, amplas, profundas, largas, que não se medem com os olhos, nem com as mãos, que não se medem em números ou com equações. Tua ausência fere os dias, deixa uma fresta no tempo que insiste em passar lento, só para aumentar a minha agonia.

Anúncios
Esse post foi publicado em Prosa e marcado . Guardar link permanente.

2 respostas para Ausência…

  1. Mariana Gouveia disse:

    eu só suspiro! E me repito!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s