Num canto qualquer…

12049447_969074873131302_538007810850254102_n

Desconheço a autoria da Imagem.

E desde então sou porque tu és
E desde então és
sou e somos.
E por amor
Serei, serás, seremos.

[Pablo Neruda]

 

     Habitas a minha alma e quando a noite cai em mim, tão profunda quanto escura, ouço o teu canto. No fundo dos meus olhos há um mapa vivo dos teus caminhos. Sigo-te para não me perder. Mas, se acaso os meus pés não mais souberem voltar, pousarei sobre a tua boca e lá repousarei em silêncio. Leve e pura, feito bruma delicada a tocar sutil o teu rosto. E me alimentarei do teu sorriso, essencial, como o ar que respiro. E beberei do teu pranto, até que me percas de novo, num canto qualquer do teu corpo.

Anúncios
Esse post foi publicado em Prosa e marcado . Guardar link permanente.

2 respostas para Num canto qualquer…

  1. Mariana Gouveia disse:

    não sei comentar… só suspiro!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s